SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.17 número1Educação e autarquias: Da legislação às práticasComment L´Enfant Devient Lecteur índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.17 n.1 Lisboa mar. 1999

 

Alfabetização e escola em Portugal no século XX: Censos Nacionais e estudos de caso

 

António Candeias (*)

Eduarda Simões (**)

 

RESUMO

O objectivo deste artigo é o de contribuir para a compreensão da forma como durante este século, se construiram em Portugal os processos de alfabetização e de escolarização. Na primeira parte, comparamos as taxas de alfabetização e de escolarização portuguesas com as mesmas taxas referentes a outras sociedades europeias e de seguida analisamos e discutimos os resultados fornecidos pelos Censos Populacionais compreendidos entre os anos de 1900 e 1960, concluindo que até à primeira metade deste século os portugueses acederam ao mundo das letras de uma forma autónoma e informal, negligenciando em parte as formas de escolarização estandardizadas.

Na segunda parte deste artigo, introduzimos um estudo de caso referente a uma freguesia rural de Ferreira do Zêzere, analisando os percursos de alfabetização e de escolarização em três gerações nascidas entre 1888 e 1969, e relacionando tais percursos com o género, estatuto social e formas de mobilidade social.

Procurámos também fixar e comparar as imagens sociais relativas à escola e à sua relação com o trabalho, tempos livres e rotinas do quotidiano em duas gerações («avós» e «netos»), tentando demonstrar que questões relativas à evolução dos processos de alfabetização e de escolarização têm que necessaria-mente ser relacionadas com transformações sociais e económicas mais gerais e complexas.

Palavras-chave: História da educação, escolarização, alfabetização.

 

ABSTRACT

The purpose of this paper is to understand and analyse the ways literacy and schooling were implemented in the Portuguese society during the twentieth century.

In the first part of it, we compared the Portuguese literacy and schooling rates whit other European countries and societies, and then analysed and discussed the data given by the Portuguese population Census from 1900 to 1960, concluding that until the fourth decade of this Century an important part of Portuguese people became literate autonomously, i.e. not using compulsory school in a standard way.

In the second part of this paper we studied population samples of three generations of a rural village of Portugal, the freguesia do Beco in Ferreira do Zêzere, that were born between 1888 and 1969, reconstructing the evolution of their literacy and schooling levels and relating it with professional mobility, gender and social status.

We also tried to establish the social images of literacy, school and their relationship with child`s work, leisure and daily routines in two generations (grand parents and grand sons) and analyse the changes that occurred in this period of time, showing that the process of schooling and literacy has to be understood under a broader social and historic perspective in which literacy rates and their evolution are only one of the aspects to be considered.

Key words: History of education, literacy, schooling.

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text only available in PDF format.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

a) Censos

Censo da população do Reino de Portugal no 1.º de Dezembro de 1900. Lisboa: Imprensa Nacional, 1905.

Censo da população de Portugal no 1.º de Dezembro de 1911. Lisboa: Imprensa Nacional, 1913.

Censo da população de Portugal - Dezembro de 1920. Lisboa: Imprensa Nacional, 1923.

Censo da população de Portugal - Dezembro de 1930. Lisboa: Imprensa Nacional, 1934.

Recenseamento Geral da população no Continente e Ilhas Adjacentes em 12 de Dezembro de 1940. Lisboa: Imprensa Nacional, 1945.

Recenseamento Geral da população no Continente e Ilhas Adjacentes em 15 de Dezembro de 1950. Lisboa: Tipografia Portuguesa, 1952.

Recenseamento Geral da população às 0 horas de 15 de Dezembro de 1960. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.

 

b) Estudos

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições70.         [ Links ]

Bouillé, M. (1988). L`école histoire d`une utopie? Paris: Rivages.

Candeias, A. (1994). A situação educativa portuguesa: raízes do passado, dúvidas do presente. Análise Psicológica, 11 (4), 591-607.

Candeias, A. (1996). Ritmos e formas de alfabetização da população portuguesa na transição de século: o que nos mostram os Censos Populacionais compreendidos entre os anos de 1890 e 1930. Educação Sociedade e Culturas, 5, 39-63.

Candeias, A. (1998). Alfabetização informal e autónoma e escolarização imposta: Os ritmos e as formas de acesso à cultura escrita no Portugal do princípio do século. In Actas do 1.º Encontro Luso Brasileiro de História da Educação. Lisboa: S.P.C.E.

Candeias, A. (no prelo). Ritmos e formas de acesso à cultura escrita das populações portuguesas no séculos XIX e XX: dados e dúvidas.

Carvalho, R. (1986). História do ensino em Portugal. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Cha, Y. (1992). The origins and espansion of Primary School Curricula: 1800-1920. In J. Meyer, D. Ka-mens, & A. Benavot (Eds.), School knowledge for the masses – World models and national Primary Curricular categories in the Twentieth Century (pp. 63-73). Londres: The Falmer Press.

Chombart de Lauwe, M.-J. (1987a). Temps libre et loisirs. In M. Manciaux, S. Lebovici, O. Jeanneret, A. Sand, & S. Tomkievicz (Eds.), L´enfant et sa santé (pp. 399-409). Paris: Doin Editeurs.

Chombart de Lauwe, M.-J., Bonnin, Ph., Mayeur, M., Perrot, M., Rieunier, C., & de la Soudière, M. (1987b). Espace d’enfants. La relation enfant-en-vironnement, ses conflits. Cousset: Editions Delval.

Cipolla, C. (1969). Instrução e desenvolvimento no Ocidente. Lisboa: Editora Ulisseia.

Foucault. M. (1975). Surveiller et punir. Naissance de la prison. Paris: Éditions Gallimard.

Furet, F., & Ozouf, J. (1977). Lire et ecrire. L`alphabé-tisation des français de Calvin à Jules Ferry. Paris: Les Éditions de Minuit.

Graff, H. J. (1991). The legacies of literacy. Continuities and contradition in Western culture and society. Bloomingtona and Indianapolis: Indiana University Press.

Houston, R. A. (1988). Literacy in early modern Europe. Culture and education 1500-1800. Singapore: Longman.

Iturra, R. (1990). Fugirás à escola para trabalhar a terra. Ensaios de antropologia social sobre o insucesso escolar. Lisboa: Escher.

Magalhães, J. (1994). Ler e escrever no mundo rural do Antigo Regime: um contributo para a história da alfabetização e da escolarização em Portugal. Braga: Universidade do Minho, Instituto de Educação.

Magalhães, J. (1996). Ler e escrever no mundo rural do Antigo Regime: Um contributo para a história da alfabetização e da escolarização em Portugal. Análise Psicológica, 14 (4), 435-445.

Nóvoa, A. (1992). A «Educação Nacional». In J. Serrão, & A. H. de Oliveira Marques (Eds.), Nova História de Portugal, Vol. XII, Portugal e o Estado Novo, coordenação de Fernando Rosas (pp. 455519). Lisboa: Editorial Presença.

Ramos, R. (1988). Cultura de alfabetização e cultura de analfabetismo em Portugal: uma introdução à história da alfabetização no Portugal contemporâneo. Análise Social, 24, 103-104, 4,5, 1067-1145.

Ramos, R. (1993). O método dos pobres: educação popular e alfabetização em Portugal (séculos XIX e XX). Colóquio Educação e Sociedade, 2, 41-68.

Reis, F. (1992). Educação ensino e crescimento: o jogo infantil e a aprendizagem económica em Vila Ruiva. Lisboa: Escher.

Reis, J. (1988). O analfabetismo em Portugal numa perspectiva comparada: algumas reflexões. In 1.º Encontro de História da Educação em Portugal – Comunicações (pp. 75-79). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Reis, J. (1993). O analfabetismo em Portugal no século XIX: uma interpretação. Colóquio Educação e Sociedade, 2, 13-40.

Simões, E. (1998). Análise evolutiva de quotidianos infantis, dinâmicas sociasis e processos de mudança em duas gerações diferentes: avós e netos. Monografia de licenciatura em Psicologia, Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa (não publicada).

Stoer, S., & Araújo, H. (1992). Escola e aprendizagem para o trabalho num país da semi periferia europeia. Lisboa: Escher.

Vidigal, L. (1996). Os testemunhos orais na escola: História oral e projectos pedagógicos. Porto: Edições ASA.

Vieira, R. (1992). Entre a escola e o lar. Lisboa: Escher.

 

(*) Departamento de Ciências da Educação da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Membro da UIPCDE.

(**) Licenciada em Psicologia e aluna do Mestrado em Psicologia da Educação no Instituto Superior de Psicologia Aplicada.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons