SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.26 número4 índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Em processo de indexaçãoCitado por Google
  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO
  • Em processo de indexaçãoSimilares em Google

Compartilhar


Análise Psicológica

versão impressa ISSN 0870-8231

Aná. Psicológica v.26 n.4 Lisboa out. 2008

 

O Burnout como factor hierárquico de 2ª ordem da Escala de Burnout de Maslach

 

João Maroco (*)

Miguel Tecedeiro (*)

Pedro Martins (*)

Ana Meireles (*)

 

RESUMO

As qualidades psicométricas da escala de burnout de Maslach para estudantes (Maslach Burnout Inventory – Student Survey: MBI-SS) de Schaufeli et al. (2002) foram avaliadas numa amostra por conveniência de 300 estudantes universitários. A estrutura tri-factorial (Descrença, Exaustão e Eficácia Profissional) proposta pelos autores da MBI-SS apresentou reduzida validade factorial e consistência interna aceitável (αestratificado=0.79) na amostra sob estudo. Atendendo às correlações significativas entre os 3 factores da MBI-SS, à assimetria dos itens, e à qualidade do modelo de medida, procedeu-se ao refinamento da escala para uma estrutura factorial onde os 3 factores originais definem um factor de 2ª ordem, denominado “burnout”. A MBI-SS modificada apresentou elevada validade factorial e elevada consistência interna (αestratificado0.83).

Palavras-chave: Burnout, Descrença, Eficácia profissional, Estudantes, Exaustão, Fiabilidade, Sensibilidade, Validade.

 

ABSTRACT

The psychometric properties of the MBI-SS (Schaufeli et al., 2002) were evaluated in a convenience sample of 300 Portuguese college students. The 3-factor original structure had poor fit to the data, although it showed reasonable internal consistency (αstratified=0.79). We considered the observed statistically significant correlations between the 3 original factors, the skewness of the original items, as well as the construct validity, and proposed a 2nd hierarchal structure that we named burnout. This 2nd order factor structure showed higher factorial validity and higher internal consistency (αstratified=0.83) than teh original scale.

Key words: Burnout, Cynicism, Exhaustion, Reduced efficacy, Reliability, Students, Validity.

 

INTRODUÇÃO

O burnout define-se como uma resposta prolongada no tempo a stressores interpessoais crónicos no trabalho, composta por três dimensões chave: exaustão emocional, despersonalização e redução da realização pessoal (Maslach, 1993). Por exaustão emocional entende-se uma sobre-solicitação ou esgotamento dos recursos emocionais, morais e psicológicos da pessoa. A despersonalização traduz uma distanciação afectiva ou indiferença emocional em relação aos outros, nomeadamente àqueles que são a razão de ser actividade profissional (pacientes, alunos, etc.). Finalmente, a redução da realização pessoal exprime uma diminuição dos sentimentos de competência e de prazer associados ao desempenho de uma actividade profissional.

Inicialmente considerou-se que esta síndrome psicológica era específica daqueles que trabalhavam em profissões de “ajuda” ou apoio a outras pessoas (por exemplo, médicos, advogados, psicólogos, professores, etc.).

O desenvolvimento das pesquisas sobre o burnout mostrou não haver razão para restringir esta síndrome aos domínios profissionais de apoio a outras pessoas, alargando-a a todas as actividades profissionais (Leiter & Schaufeli, 1996). Este alargamento implicou mudanças nas designações das dimensões do burnout. Fora das profissões de ajuda, a exaustão emocional passou a ser designada simplesmente por exaustão, a despersonalização passou a chamar-se cinismo e a realização pessoal transformou-se em eficácia profissional. O conceito de burnout tem também sido aplicado a pessoas envolvidas em actividades que, não sendo profissões propriamente ditas, partilham com elas alguns pontos comuns, como é o caso de mães a tempo inteiro (Pelsma, Roland, Tollefson, & Wigington, 1989) e de estudantes (Balogun, Helgemoe, Pellegrini, & Hoeberlein, 1996; Koeske & Koeske,1991; McCarthy, Pretty, & Catano, 1990; Schaufeli, Martinez, Marques Pinto, Salanova, & Bakker, 2002).

A avaliação do burnout tem seguido uma evolução paralela à evolução do conceito. Embora existam diversas escalas de avaliação de burnout (Schaufeli, Enzmann, & Girault, 1993; Demerouti, Bakker, Vardakou, & Kantas, 2003), o Maslach Burnout Inventory (MBI) é o instrumento utilizado em mais de 90% dos trabalhos empíricos publicados sobre a síndrome (Schaufeli, Bakker, Hoogdoin, Schaap, & Kadler, 2001; Tecedeiro, 2005). Trata-se de uma escala de autoavaliação de tipo Likert em que é pedido ao sujeito que avalie, em sete possibilidades que vão de “nunca” a “todos os dias”, com que frequência sente um conjunto de sentimentos expressos em frases (Maslach, Jackson, & Leiter, 1996). Actualmente existem três versões distintas em função da área profissional do respondente: uma versão com 22 itens para profissionais da área da saúde (MBI-HSS, de Human Services Survey), uma versão com o mesmo número de itens adequada a quem trabalha em contextos educacionais (MBI-ES) e uma versão de 16 itens adaptada à população trabalhadora em geral (MBI-GS). Todas as versões possuem uma estrutura tri-factorial, em linha com a conceptualização do burnout proposta por Christina Maslach, existindo correlações fracas a moderadas entre sub-escalas (Maslach, Jackson, & Leiter, 1996). A escala não permite o cálculo de uma pontuação global de burnout, recomendando os autores que a distribuição dos resultados de cada subescala seja dividida em três partes iguais, correspondendo o terço inferior a um resultado baixo, o terço médio a um resultado médio, e o terço superior a um resultado elevado. Assim sendo, em todas as amostras existe um terço de sujeitos com um resultado elevado em cada escala (independentemente do seu valor absoluto), considerando-se que um sujeito tem burnout quando obtém resultados elevados de exaustão e despersonalização e baixos de realização pessoal.

O interesse pela avaliação do burnout em estudantes requereu uma adaptação do MBI às características desta população. Essa adaptação foi feita por Schaufeli, Martinez, Marques Pinto, Salanova, e Bakker (2002), a partir de trabalhos anteriores (Balogun et al., 1996; Gold & Michael, 1985) tendo por base o MBI-GS. Recebendo o nome de Maslach Burnout Inventory Student Survey (MBI-SS), a escala ficou constituída por 15 itens, tendo a dimensão despersonalização/ /cinismo passado a ser designada por Descrença (Schaufeli et al., 2002). No estudo conduzido junto de amostras de estudantes de três países europeus (Portugal, Espanha e Holanda), os autores mostraram a validade da estrutura tri-factorial da escala, em linha com a conceptualização teórica de Maslach, embora essa estrutura não seja invariante entre as três amostras, devido à existência de variações na saturação dos três factores de país para país. Como forma de ultrapassar a inexistência de critérios clínicos para o burnout, Schaufeli, Bakker, Hoogdoin, Schaap, e Kadler (2001) propuseram a definição de pontos de corte, recorrendo ao estudo da validade concorrente do MBI-SS com critérios do ICD10 e do SCL90.

Embora a estrutura factorial das diversas versões do MBI tenha sido replicada em múltiplas amostras (Maslach, Jackson, & Leiter, 1996; Schaufeli & Taris, 2005; Schaufeli, Bakker, Hoogdoin, Schaap, e Kadler, 2001; Schaufeli, Martinez, Marques Pinto, Salanova, & Bakker, 2002; Schutte, Toppinen, Kalimo, & Schaufeli, 2000; Zhang, Gan, & Zhang, 2005), algumas características métricas deste inventário têm sido muito questionadas. Demerouti et al. (2003) chamaram a atenção para o facto de, no MBI-GS e à semelhança das outras versões, os itens das subescalas de Cinismo e Exaustão terem todos formulações negativas, enquanto que os itens de Realização pessoal têm apenas formulações positivas o que, está demonstrado, afecta as qualidades métricas das escalas assim construídas (Anastasi, 1988, citado por Demerouti, Bakker, Vardakou, & Kantas, 2003). Kristensen, Borritz, Villadsen, e Christensen (2005) argumentaram a favor de uma escala por si desenvolvida (o Copenhagen Burnout Inventory, ou CBI) criticando o facto do MBI não contemplar uma medida global de burnout, de ter alguns enviesamentos culturais associados à formulação de alguns itens, de haver alguma falta de c larificação teórica em relação às evolução das dimensões do burnout com o aparecimento das diversas versões do inventário. De uma forma geral, e por outro lado, todos os estudos têm sublinhado a adequada consistência interna das diversas versões do MBI. Por exemplo, numa aplicação da MBI original (com 22 itens) a 55 estudantes de fisioterapia, Balogun et al. (1995) observaram uma fiabilidade teste-reteste de 0.82, 0.60 e 0.80 para as dimensões da exaustão, descrença e realização profissional, respectivamente.

Embora algumas destas críticas tenham sido contra-argumentadas (Schaufeli et al., 2001), a inexistência um resultado global de burnout no MBI, continua a ser uma limitação não ultrapassada o que levou vários a autores a questionar o uso desta escala (Demerouti, Bakker, Vardakou, & Kantas, 2003; Halbesleben & Demerouti; Kristensen, Borritz, Villadsen, & Christensen, 2005).

Neste estudo, avaliámos a validade factorial e fiabilidade da escala MBI-SS quando aplicada uma amostra de estudantes portugueses de Psicologia. A partir da estrutura tri-factorial original, propusemos uma estrutura hierárquica de 2ª ordem que permite estimar uma pontuação total de burnout.

 

MÉTODO

Participantes

Participaram no estudo 300 alunos, voluntários, do 2º ano da licenciatura em Ciências Psicológicas do Instituto Superior de Psicologia Aplicada, a quem foi pedido que respondesse ao inventário de Burnout de Maslach. A idade média dos participantes foi de 22.7 anos (SEM=0.3), sendo 16% dos participantes do sexo masculino e 84% do sexo feminino. A amostragem não-aleatória abrangeu os três turnos de funcionamento lectivo (56% manhã, 17% tarde e 28% noite), correspondente a uma taxa de amostragem de 64% da população do estudo. O anonimato das respostas foi assegurado a todos os participantes e não houve qualquer remuneração ou incentivo à participação.

Instrumento

A avaliação do estado de burnout entre estudantes foi efectuada com a escala Maslach Burnout Inventory – Student Survey (MBI-SS) de Schaufeli, Martínez, Marques Pinto, Salanova, e Bakker (2002), presente no domínio público, e que por sua vez é uma adaptação da Maslach Burnout Inventory – General Survey (MBI-GS) de Schaufeli, Leiter, Maslach, e Jackson (1996).

A escala MBI-SS é constituída por 15 itens ordinais com pontuação de 0 (nunca; nenhuma vez) a 6 (sempre; todos os dias). De acordo com os autores da MBI-SS, os 15 itens distribuem-se por três factores (Exaustão, Descrença e Eficácia Profissional) (Anexo I).

Procedimento

A versão portuguesa da escala MBI-GS (Tecedeiro, 2005) serviu de base à adaptação para português da versão inglesa do MBI-SS (Schaufeli et al., 2002); seguiu-se item a item a construção frásica do MBI-GS, traduzindo-se apenas os conteúdos mais específicos do MBI-SS. O trabalho de tradução e adaptação foi feito em paralelo por dois dos autores trabalhando independentemente, sendo a versão final obtida por comparação e conciliação das duas versões.

A versão final foi aplicada sobre a forma de um questionário na Internet disponível on-line durante o mês de Novembro de 2006. A base de dados foi construída no SPSS (v. 15; SPSS Inc, Chicago, IL) e a validade factorial da MBI-SS, bem como a estrutura hierárquica de segunda ordem foram avaliadas com o software AMOS (v. 7; SPSS Inc, Chicago, IL). A sensibilidade dos itens foi avaliada graficamente e por recurso aos coeficientes de assimetria (Sk) e achatamento (Ku). Considerou-se que coeficientes de assimetria superiores a 3, em valor absoluto, e coeficiente de achatamento superior a 7, em valor absoluto, apresentavam problemas de desvio significativo da normalidade (Kline, 1998, p. 82) e consequentemente determinam a eliminação desses itens da escala. A fiabilidade foi avaliada com o αde Cronbach estandar-dizado para cada um dos 3 factores, e com o αde Cronbach estratificado para o total da escala (Maroco & Garcia-Marques, 2006). A validade factorial do modelo de medida tri-factorial foi avaliada com uma análise factorial confirmatória usando-se como índices de qualidade do ajustamento o χ2/df, CFI, GFI e RMSEA e P(rmsea≤0.05). A qualidade dos modelos alternativos (estrutura factorial original e estrutura factorial de 2ª ordem) foi ainda avaliada, em termos comparativos, por recurso aos critérios de informação AIC, BIC e BCC. Considerou-se que o ajustamento do modelo aos dados era bom para valores de CFI e GFI superiores a 0.9, valores de RMSEA inferiores a 0.05 e χ2/df entre 1 e 2 (ver por exemplo, Schumacker & Lomax, 1996; pp. 119-137). Relativamente aos critérios de informação, não existem valores de referência para comparar modelos competitivos: o modelo com menores valores de AIC, BIC e BCC é o de maior parcimónia/qualidade de ajustamento. O refinamento do modelo de medida foi efectuado com base em critérios de validade de face e dos índices de modificação calculados pelo AMOS (Arbuckle, 2006). Para evitar a capitalização dos erros de tipo I frequentes na utilização dos índices de modificação, procedeu-se apenas à alteração das trajectórias, e/ou eliminação de itens para índice de modificação superiores a 11 [χ2(1)=10.86; p=0.001]. A significância das diferenças nos scores totais e nas sub-escalas de burnout foram analisadas com a ANOVA para o factor turno, depois de validado o pressuposto da homogeneidade de variâncias com o teste de Levene (p>0.1 para os scores totais e scores das sub-escalas) e com uma ANOVA de Welch para corrigir a heterocedasticidade do factor género. A avaliação do pressuposto da normalidade, considerada a robustez da ANOVA a desvios à normalidade e a sensibilidade dos testes de ajustamento à elevada dimensão da amostra com o subsequente acréscimo do erro de tipo I, foi efectuada graficamente e a partir dos valores de Sk e Ku (que não se afastaram excessivamente da distribuição normal de acordo com Kline, 1998).

 

RESULTADOS

Sensibilidade, validade e fiabilidade da MBI-SS

A Tabela 1 apresenta os valores medianos (Me), de assimetria (Sk), e achatamento (Ku) bem como os respectivos rácios críticos (Sk/SDSk e Ku/SDKu) para os 15 itens que constituem a escala MBI-SS. Os itens que constituem a dimensão Exaustão (it1 a it5) apresentam valores de assimetria e achatamento próximos dos valores da distribuição normal (Me=2 e 3). Pelo contrário, os itens da dimensão Descrença são leptocúrticos e enviesados a favor das pontuações baixas (Me=1). Finalmente, para os itens que definem a dimensão Eficácia Profissional os valores de assimetria e achatamento são próximos dos valores da distribuição normal. Deste grupo, exceptua-se o item 13 que se apresenta leptocúrtico e enviesado para pontuações elevadas (Me=5). Como se pode constatar, nenhum item apresenta problemas de sensibilidade ou normalidade relevantes.

 

TABELA 1

Sensibilidade dos 15 itens na escala MBI-SS

Item Me Sk Sk/SDSk Ku Ku/SDKu Mínimo Máximo
It1 3.00 .137 0.97 -.297 -1.06 0 6
It2 3.00 .043 0.30 -.791 -2.81 0 6
It3 2.00 .418 2.96 -.627 -2.23 0 6
It4 2.00 .729 5.17 .326 1.16 0 6
It5 2.00 .344 2.44 -.353 -1.26 0 6
It6 1.00 1.516 10.75 2.011 7.16 0 6
It7 1.00 1.240 8.79 1.332 4.74 0 6
It8 1.00 1.367 9.70 1.390 4.95 0 6
It9 1.00 1.318 9.35 1.313 4.67 0 6
It10 4.00 -.269 -1.91 -.444 -1.58 0 6
It11 3.50 -.227 -1.61 -.402 -1.43 0 6
It12 4.00 -.388 -2.75 -.159 -0.57 0 6
It13 5.00 -1.232 -8.74 1.283 4.57 1 6
It14 5.00 -.571 -4.05 -.101 -0.36 1 6
It15 4.00 -.406 -2.88 -.357 -1.27 1 6

 

A validade factorial foi avaliada com uma análise factorial confirmatória. Os índices de ajustamento revelam que a validade factorial proposta pelos autores da MBI-SS é sofrível [χ2/df=2.9; CFI=0.902; GFI=0.899; RMSEA= 0.080; P(rmsea≤0.05)<0.001] (ver Figura 1) ainda que os pesos factoriais de todos os itens presentes sejam superiores ou iguais a 0.5.

 

FIGURA 1

Modelo de medida de primeira ordem da MBI-SS como proposto por Schaufeli et al. (1996)

Nota: χ2(88)=255.739, p<0.001, N=300; χ2/df=2.9; CFI=0.902; GFI=0.899; RMSEA=0.080; P(rmsea≤0.05)<0.001. AIC=319.7; BIC=438.3; BCC=323.4

 

A fiabilidade dos factores de primeira ordem foi avaliada pela medida de consistência interna do αde Cronbach. Os factores Exaustão (5 itens), Descrença (4 itens) e Eficácia Profissional (6 itens) aprestam valores de αestandardizado de 0.815, 0.866 e 0.791 respectivamente. Na totalidade, a escala MBI-SS apresenta um αestratificado de 0.789.

Validade e consistência da MBI-SS com factor de 2ª ordem

Uma vez que a validade factorial da MBI-SS apresenta valores de qualidade de ajustamento sofríveis, procedeu-se ao refinamento do modelo original de acordo com os índices de modificação obtidos com o AMOS. Numa primeira fase, eliminou-se o item 4 da dimensão Exaustão e os itens 13 e 14 da dimensão Eficácia Profissional uma vez que os seus índices de modificação sugeriam a correlação dos respectivos erros de medida inter- e intra-dimensões. Relativamente à dimensão Descrença, todos os itens apresentaram uma assimetria para scores baixos (Me=1) com rácio crítico elevado (>3.1) mas valores absolutos de assimetria e achatamento inferiores a 3. Assim, e atendendo aos elevados pesos factoriais destes itens no factor Descrença (λ>0.7) optou-se por não eliminar nenhum destes itens, uma vez que a assimetria positiva dos itens de Descrença é expectável em alunos que se encontram no 2º ano da licenciatura. Por outro lado, quer a validade factorial da sub-escala quer a sua consistência interna (α=0.866) não é comprometida pela presença destes itens. A escala final modificada apresenta assim, 3 dimensões equilibradas com 4 itens cada (Figura 2).

 

FIGURA 2

Modelo de medida da MBI-SS modificada

Nota: χ2(51)=96.742, p<0.001, N=300; χ2/df=1.9; CFI=0.964; GFI=0.949; RMSEA=0.055; P(rmsea≤0.05)=0.302. AIC=150.5; BIC=250.7; BCC=153.2

 

Os factores Exaustão e Descrença apresentam-se positivamente correlacionados (r=0.32; p<0.001). Pelo contrário, a Eficácia Profissional está correlacionada negativamente com a Exaustão (r=-0.21; p=0.004) e com a Descrença (r=-0.41; p<0.001). Estas correlações sugerem que existe um factor de 2ª ordem, o que está em linha com o modelo teórico original de Maslach (1993) e Schaufeli et al. (2002). Assim, propôs-se uma estrutura hierárquica com um factor de 2ª ordem que designámos de “burnout”. A Figura 3 ilustra o modelo da MBI-SS modificado com o factor de 2ª ordem. Neste modelo, os valores de qualidade de ajustamento são considerados bons, demonstrando a elevada validade factorial da escala de MBI-SS modificada [χ2/df=1.9; CFI=0.964; GFI=0.949; RMSEA=0.055; P(rmsea≤0.05)=0.302].

 

FIGURA 3

Modelo de segunda ordem da MBI-SS modificada

Nota: χ2(51)=96.742, p<0.001, N=300; χ2/df=1.9; CFI=0.964; GFI=0.949; RMSEA=0.055; P(rmsea≤0.05)=0.302. AIC=159.7; BIC=250.7; BCC=153.2

 

Comparativamente com a escala MBI-SS original, a nova estrutura proposta apresenta um ajustamento significativamente melhor [∆χ2(37)= 158.997; p<0.001] e mais parcimonioso uma vez que os AIC, BIC e BCC apresentam valores consideravelmente menores na escala modificada com factor de 2ª ordem do que na escala original (∆AIC=160.0; ∆BIC=187.6 e ∆BCC=170.2).

No modelo hierárquico de 2ª ordem, e para a amostra em estudo, os factores Exaustão (4 itens), Descrença (4 itens) e Eficácia Profissional (4 itens) aprestam valores de αestandardizado de 0.776, 0.866 e 0.769 respectivamente. Na totalidade, a escala MBI-SS modificada apresenta um αestratificado de 0.831.

Recorrendo aos pesos dos scores factoriais calculados pelo AMOS, é possível estimar numericamente o estado de burnout (valores estandardizados) com a expressão:

Burnout = 0.047It1 + 0.020It2 + 0.013It3 + 0.339It5 + (1) + 0.150It6 + 0.095It7 + 0.153 It8 + 0.141It9+

– 0.069It10 – 0.043It11 – 0.074It12 – 0.051It15

Sendo os scores das três sub-escalas dados, respectivamente, por:

Exaustão = 0.265It1 + .0116It2 + 0.076It3 + 0.060It5 (2) Descrença = 0.225It6 + 0.143It 7 + 0.230It8 + 0.213It9 (3) Eficácia = 0.215It10 + 0.133It11 + 0.232It12 + 0.160It 15 (4)

A Figura 4 apresenta a distribuição de frequên-cias dos scores Exaustão (M=2.09; SD=0.936), Descrença (M=0.94; SD=0.928) e Eficácia (M=2.77; SD=0.697). Na amostra sob estudo, os scores de descrença estão enviesados para valores baixos (Sk=1.348) e são leptocúrticos (Ku=1.647), à semelhança do que se observou nos itens que constituem esta dimensão. Em oposição, os scores de Exaustão (Sk=0.282; Ku=-0.140) e de Eficácia (Sk=-0.337; Ku=-0.312) apresentam distribuições próximas da distribuição normal (Sk=0; Ku=0).

 

FIGURA 4

Histograma de frequências absolutas com curva normal para as dimensões Exaustão, Descrença e Eficácia como calculado pelas equações (2), (3) e (4) respectivamente

 

A distribuição dos valores globais de burnout obtidos na amostra em estudo é ilustrada na Figura 5. A dimensão burnout apresenta, na presente amostra, um valor médio de 0.11 com desvio-padrão de 0.785 sendo ligeiramente enviesada para pontuações baixas (Sk=0.916; Ku=0.832) em virtude do considerável assimetria positiva observado na dimensão Descrença.

 

FIGURA 5

Histograma de frequências absolutas com curva normal para a dimensão global de burnout como calculado pela equação (1)

 

Na Tabela 2 apresentam-se, a título exploratório, as médias e desvio-padrão das sub-escalas e do total da escala de burnout em função de várias variáveis socio-demográficas. Recorrendo à análise de variância, não se observaram diferenças estatisticamente significativas entre os dois sexos na escala total e nas sub-escalas de Burnout (p>0.05), com excepção da sub-escala eficácia, onde contudo a significância prática das diferenças é reduzida [FW(1,87.332)=9.033; p=0.003; η2p=0.018]. Relativamente ao factor turno, observaram-se diferenças significativas entre os turnos apenas nos scores de eficácia [F(1,297)=3.521; p=0.031; η2p=0.023] e exaustão [F(1,297)=4.192; p=0.016; η2p=0.027], apesar destas diferenças estarem associadas a reduzidas dimensões de efeito (ver Tabela 2). As diferenças nos scores totais de Burnout são apenas marginalmente significativas [F(1,297)=2.874; p=0.058; η2p=0.019], observando-se os scores mais elevados no turno da tarde.

 

TABELA 2

Valores médios (M) e desvio-padrão (SD) das sub-escalas e da escala global de burnout em função do género e do turno dos estudos

Variável sócio-demográfica
Burnout [M (SD)]
Eficácia [M (SD)]
Descrença [M (SD)]
Exaustão[M (SD)]
Sexo
Feminino (n=253)
0.11 (0.769)
2.73 (0.722)
0.91 (0.898)
2.12 (0.907)
 
Masculino (n=47)
0.10 (0.879)
2.98 (0.494)
1.058 (1.08)
1.95 (1.084)
 
Estatística de teste
FW(1,59.77)=0.010;
FW(1,87.332)=9.033;
FW(1,58.358)=0.754;
FW(1,58.562)=0.983;
 
p=0.921; η2p<0.001
p=0.003; η2p=0.018
p=0.389; η2p=0.003
p=0.326; η2p=0.004
Turno
Manhã (n=168)
0.10 (0.812)
2.76 (0.682)
0.879 (0.862)
2.07 (0.740)
 
Tarde (n=49)
0.34 (0.854)
2.57 (0.669)
1.188 (1.030)
1.85 (0.952)
 
Noite (n=83)
0.01 (0.785)
2.77 (0.697)
0.90 (0.983)
2.089 (0.937)
 
Estatística de teste
F(1,297)=2.874;
F(1,297)=3.521;
F(1,297)=2.195;
F(1,297)=4.192;
 
p=0.058;η2p=0.019
p=0.031; η2p=0.023
p=0.113; η2p=0.015
p=0.016; η2p=0.027

 

DISCUSSÃO

Os estudantes do ensino superior constituem-se como uma população relevante para o desenvolvimento da síndrome de burnout, tais são as pressões sócio-económicas, de relacionamento com os seus pares e com os docentes, testes e trabalhos, a que geralmente estão submetidos. Por outro lado, preocupações com a utilidade dos seus estudos e saídas sócio-profissionais facilitam o desenvolvimento do burnout em particular nos últimos anos do curso. Os estudos sobre a ocorrência de burnout em estudantes são incipientes, e incidem quase exclusivamente sobre estudantes das áreas das ciências da saúde. Num destes estudos, Jacobs e Dodd (2003) observaram que as ocorrências de níveis elevados de burnout em estudantes estavam associados a um temperamento negativo e a um excesso de trabalho escolar subjectivo. Pelo contrário, baixos níveis de burnout estavam associados a um temperamento positivo, à participação em actividades extra-curriculares e ao suporte social, em particular de amigos. Apesar da importância que o diagnóstico e intervenção podem ter no desempenho escolar e no ajustamento psico-social à escola e aos seus pares (McCarthy et al., 1990; Koeske & Koeske, 1991), o estudo do burnout é limitado pelas deficiências da instrumentação apropriada à avaliação desta síndrome em estudantes. Alguns estudos efectuados sobre burnout em estudantes têm recorrido a escala de burnout de Maslach adaptada para estudantes (MBI-SS) (Schaufeli et al., 2005; Zhang et al., 2005) ou mesmo à versão original da escala (por exemplo McCarthy et al., 1990; Balogun, Helgemoe, Pellegrini, & Hoeberlein, 1995). Contudo, na sua formulação original esta escala tem sido recebida com algum criticismo, nomeadamente porque não apresenta um score global de burnout (Demerouti et al., 2003; Kristensen et al., 2005).

A partir da adaptação inicial da Escala MBI (Maslach et al., 1996) proposta por Schaufeli et al. (2002), para estudantes (MBI-SS), avaliámos as propriedades psicométricas da versão portuguesa aplicada numa amostra de 300 estudantes. A estrutura tri-factorial manteve-se na nossa amostra, à semelhança do que ocorreu em outros estudos transnacionais (Schaufeli et al., 2005; Zhang, Gan, & Zhang, 2005) mas, neste estudo, expandimo-la para uma estrutura hierárquica de 2ª ordem. Os índices de qualidade de ajustamento demonstram que este modelo apresenta um melhor ajustamento do que modelo original, demonstrando maior validade factorial. Trata-se de um facto de particular relevância, uma vez a maioria dos trabalhos sobre o modelo de burnout de Maslach (veja-se, por exemplo, Maslach, Jackson, & Leiter, 1996) nunca demonstra a existência desta dimensão, embora a postulem. Ainda que os valores de consistência interna das dimensões de primeira ordem tenham decrescido, os valores encontrados (α>0.77) são indicadores de uma consistência interna dos factores de primeira ordem aceitável e consistentes com outras medidas de fiabilidade da MBI (por exemplo, Balogun et al., 1995) . É de referir porém que a consistência interna é função do número de itens da escala (Maroco & Garcia-Marques, 2006) e que, naturalmente, as reduções de consistência das dimensões Exaustão e Eficácia podem dever-se mais à eliminação de itens do que a uma perda de consistência da medida. Adicionalmente a consistência da escala total, medida pelo αestratificado (que ao contrário do αnão subestima a verdadeira consistência de escalas multifactoriais), apresenta um valor elevado (0.83) e superior ao valor da escala original (0.79). A medição do nível global de burnout apresentou elevada fiabilidade na amostra do estudo.

A incidência da síndrome na população estudantil deverá representar uma preocupação social e científica prioritária. Neste contexto, a escala MBI-SS constitui-se como um instrumento de referência, e a possibilidade aqui demonstrada de calcular um valor global de burnout vem aumentar a sua relevância em contextos tanto de investigação como clínicos, respondendo desta forma a uma das mais relevantes críticas feitas às escalas desenvolvidas por Christina Maslach (Kristensen, Borritz, Villadsen, & Christensen, 2005). Parece-nos assim fundamental que o estudo aqui apresentado seja replicado noutras amostras, de forma a confirmar a validade do modelo proposto, e que sejam estabelecidos valores normativos e fixados critérios clínicos e de diagnóstico úteis na prática clínica.

 

ANEXO 1

Adaptação da MBI-SS de Schaufeli et al. (2002)

Escala de burnout de Maslach para Estudantes

As afirmações seguintes são referentes aos sentimentos/emoções de estudantes em contexto escolar. Leia cuidadosamente cada afirmação e decida sobre a frequência com que se sente da forma descrita e de acordo com o quadro seguinte:

Nunca
Quase nunca
Algumas vezes
Regularmente
Bastantes vezes
Quase sempre
Sempre
0
1
2
3
4
5
6
Nenhuma vez
Poucas vezes
Uma vez por mês
Poucas vezes por mês
Uma vez por semana
Poucas vezes por semana
Todos os dias
 
Nunca
Sempre
 
0
1
2
3
4
5
6
Exaustão emocional
O
O
O
O
O
O
O
Os meus estudos deixam-se emocionalmente exausto
O
O
O
O
O
O
O
Sinto-me de ´rastos` no final de um dia na universidade.
O
O
O
O
O
O
O
Sinto-me cansado quando me levanto de manhã e penso que tenho de enfrentar mais um dia na universidade.
O
O
O
O
O
O
O
Estudar ou assistir a uma aula deixam-me tenso.
O
O
O
O
O
O
O
Os meus estudos deixam-me completamente esgotado.
O
O
O
O
O
O
O
 
Descrença
Tenho vindo a desinteressar-me pelos meus estudos desde que ingressei na universidade
O
O
O
O
O
O
O
Sinto-me pouco entusiasmado com os meus estudos.
O
O
O
O
O
O
O
Sinto-me cada vez mais cínico relativamente à utilidade potencial dos meus estudos
O
O
O
O
O
O
O
Tenho dúvidas sobre o significado dos meus estudos.
O
O
O
O
O
O
O
 
Eficácia Profissional
Consigo resolver, de forma eficaz, os problemas que resultam dos meus estudos.
O
O
O
O
O
O
O
Acredito que participo, de forma positiva, nas aulas a que assisto.
O
O
O
O
O
O
O
Sinto que sou um bom aluno.
O
O
O
O
O
O
O
Sinto-me estimulado quando alcanço os meus objectivos escolares.
O
O
O
O
O
O
O
Tenho aprendido muitas matérias interessantes durante o meu curso.
O
O
O
O
O
O
O
Durante a aula, sinto que consigo acompanhar as matérias de forma eficaz.
O
O
O
O
O
O
O

 

REFERÊNCIAS

Arbuckle, J. L. (2006). Amos 7.0 user’s guide. Chicago: SPSS.

Balogun, J. A., Helgemoe, S., Pellegrini, E., & Hoeberlein, T. (1995). Test-retest reliability of a psychometric instrument designed to measure physical therapy students’ burnout. Perceptual and Motor Skills, 81, 667-672.

Balogun, J. A., Helgemoe, S., Pellegrini, E., & Hoeberlein, T. (1996). Academic performance is not a viable determinant of physical therapy students’ burnout. Perceptual and Motor Skills, 83, 21-22.

Demerouti, E., Bakker, A. B., Vardakou, I., & Kantas, A. (2003). The convergent validity of two burnout instruments. European Journal of Psychological Assessment, 19, 12-23.

Gold, Y., & Michael,W. B. (1985). Academic self-concept correlates of potential burnout in a sample of first-semester elementary school practice teachers: A concurrent validity study. Educational and Psychological Measurement, 45, 909-914.

Halbesleben, J. R. B., & Demerouti, E. (2005). The construct validity of an alternative measure of burnout: Investigating the English translations of the Oldenburg burnout Inventory. Work & Stress, 19, 208-220.

Jacobs, S. R., & Dodd, D. K. (2003). Student burnout as a function of personality, social support, and workload. Journal of College Student Development, 44, 291-303.

Kline, R. B. (1998). Principles and practices of structural equation modelling. New York: The Guilford Press.

Koeske, G. F., & Koeske, R. D. (1991). Student “burnout” as a mediator of the stress-outcome relationship. Research in Higher Education, 32, 415-431.

Kristensen, T. S., Borritz, M., Villadsen, E., & Christensen, K. B. (2005). The Copenhagen burnout inventory: A new tool for the assessment of burnout. Work & Stress, 19, 192-207.

Leiter, M. P., & Schaufeli, W. B. (1996). Consistency of burnout construct across occupations. Anxiety, Stress & Coping: An international journal, 9. Abstract recuperado a 23 Agosto 2004 de http://search.epnet.com/direct.asp?an=1997-07632-004&db=psych.

Maroco, J., & Garcia-Marques, T. (2006). Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas? Laboratório Psicologia, 4, 65-90.         [ Links ]

Maslach, C. (1993). Burnout: A multidimensional perspective. In W.B. Schaufeli, C. Maslach & T. Marek (Eds.), Professional burnout, recent developments in theory and research. Philadelphia, PA: Taylor & Francis.

Maslach, C., Jackson, S. E., & Leiter, M. P. (1996). Maslach burnout inventory manual (3rd edition). Palo Alto, CA: Consulting Psychology Press.

McCarthy, M. E., Pretty, G. M., & Catano, V. (1990). Psychological sense of community and student burnout. Journal of College Student Development, 31, 211-216.

Pelsma, D. M., Roland, B., Tollefson, N., & Wigington, H. (1989). Parent burnout: Validation of the Maslach burnout Inventory with a sample of mothers. Measurement & Evaluation in Counselling & Development, 22, 81-87.

Schaufeli, W. B., & Taris, T. W. (2005). The conceptualization and measurement of burnout: Common ground and worlds apart. Work & Stress, 19, 256-262.

Schaufeli, W. B., Enzemann, D., & Girault, N. (1993). Measurement of burnout: A review. In W. B. Schaufeli, C. Maslach, & T. Marek (Eds.), Professional burnout, recent development in theory and research. Philadelphia, PA: Taylor & Francis.

Schaufeli, W. B., Bakker, A. B., Hoogdoin, K., Schaap, C., & Kadler, A. (2001). On the clinical validity of the Maslach Burnout Inventory and the burnout Measure. [electronic version]. Psychology & Health, 16, 565-582.

Schaufeli, W. B., Martinez, I. M. Marques Pinto, A., Salanova, M., & Bakker, A. B. (2002). Burnout and engagement in university students: a cross national study. Journal of Cross-Cultural Psychology, 33, 464-481.

Schumacker, R. E., & Lomax, R. G. (1996). A beginner’s guide to structural equation modelling. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, Inc.

Schutte, N., Toppinen, S., Kalimo, R., & Schaufeli, W. B. (2000). The factorial validity of the Maslach Burnout Inventory – General Survey (MBI-GS) across occupational groups and nations. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 73, 53-66.

Tecedeiro, M. (2005). Factores psicológicos na síndrome de burnout: O narcisismo como variável preditora da síndrome. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica e Psicopatologia, não publicada. Instituto Superior de Psicologia Aplicada. Lisboa.

Zhang, Y., Gan, Y., & Zhang, Y. (2005). The reliability and validity of MBI-SS and academic characteristics affecting burnout. Chinese Journal of Clinical Psychology, 13, 383-385.

 

(*) Instituto Superior de Psicologia Aplicada.